A Experiência Estética Questionando os Marcadores Sociais Presentes em Atividades-matemáticas de Bases Numéricas e Gêneros

Autores

Palavras-chave:

Educação Matemática, Teoria Queer, Marcadores Sociais, Experiências Estéticas, Identidades de gênero

Resumo

Este artigo investiga como ocorre a constituição do conhecimento matemático, por meio de um conjunto de atividades que envolvem bases numéricas e concepções de gêneros. De acordo com a base metodológica qualitativa, a pesquisa teve a sua produção de dados em uma escola estadual da cidade de Porto Alegre, com estudantes do 9º ano do ensino fundamental. Desse modo, sob referencial teórico que aborda a pluralidade de sexualidades e gêneros, coadunando com os movimentos de respeito e de resistência da comunidade LGBTQIA+, analisamos dados que apontam para as experiências estéticas como ocorrência da constituição do conhecimento na realização das atividades. Essa experiências decorreram de várias situações com base na significação de imagens. Cada sentido atribuído a pessoas foi relevante para as/es/os[1] participantes constituírem conhecimento matemático. Também, essa pesquisa mostra que os marcadores sociais existem e são empregados para padronizar pessoas, tomando a ideia de modelos, padrões (im)postos socialmente como um importante foco do pensamento matemático e como meio propício de questionamento e de ampliação de possibilidades.

 

[1] Esse texto revela um posicionamento político de enfrentamento à discriminação de gênero, por isso, como marco desse posicionamento também utiliza o gênero neutro, conforme Cassiano (2019), em sua escrita, pois empodera todas/todes/todos. A nosso ver, não é uma tarefa fácil escrever com gênero neutro, mas é preciso começar.

Referências

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

CASSIANO, O. Guia para "Linguagem Neutra" (PT-BR). 2019. Disponível em: https://medium.com/guia-para-linguagem-neutra-pt-br/guia-para-linguagem-neutra-pt-br-f6d88311f92b. Acesso em: 18 abr. 2023.

GIRALDO, V.; ROQUE, T. M. Por uma Matemática Problematizada: as Ordens de (Re)Invenção. Perspectivas da Educação Matemática, v. 14, n. 35, p.1-21, 2021.

LUGONES. Rumo a um feminismo descolonial: Estudos Feministas. Florianópolis. Set-Dez.2014.

MIRANDA, M. H. G.; LIMA, L. S. G. A. de. A prática pedagógica dos direitos humanos: marcadores sociais da diferença e o combate ao bullying. Momento - Diálogos em Educação, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 328–348, 2019. DOI: 10.14295/momento.v28i1.7847. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/7847. Acesso em: 10 fev. 2023.

REIS, W. S.; ESQUINCALHA, A. C. Por uma virada sociopolítica: a importância da discussão sobre gêneros e sexualidade nas aulas e na pesquisa em (Educação) Matemática.In: ESQUINCALHA, A. C. Estudos de Gênero em Educação Matemática: tensionamentos e possibilidades. Brasília: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), 2022. p.61- 82.

RODRIGUES, A. E. A.; DINIZ, H. A. Sistemas de Numeração: Evolução Histórica, Fundamentos e Sugestões para o Ensino. Ciência e Natura, v. 37, p. 578-591, 2015.

ROSA, Maurício. Aventuras, Dramas e Terror: os desafios compartilhados por gêneros cinematográficos na Cyberformação com professories que ensinam matemática. In. BARROS, A. P. R. M.; FIORENTINI, D.; HONORATO, A. (Org.) Aventuras e desafios em tempos de pandemia: (re)inventar a prática docente. Porto Alegre: Editora Fi, 2023, p.132-189.

ROSA, M. Cyberformação com professores de matemática: a compreensão da héxis política à pedagogia queer. In: ESQUINCALHA, A. C. Estudos de Gênero em Educação Matemática: tensionamentos e possibilidades. Brasília: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), 2022. p.206-246.

ROSA, M. Teoria Queer, Números Binários e Educação Matemática: estranhando a matemática em prol de uma héxis política. Educação Matemática em Revista – RS, Porto Alegre, v. 2, p. 70-87, 2021a.

ROSA, M. Experiências Estéticas em Educação Matemática que “belo” livro!!! In: SILVA, R. S. R. da; IDEM, R. C. (Org.). Experiências Estéticas em Educação Matemática. Porto Alegre: Fi, 2021b. p. 11-24.

ROSA, M. A Construção de Identidades online por meio do Role Playing Game: relações com o ensino e aprendizagem de matemática em um curso à distância. 2008. 263 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Educação Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro,2008. Disponível em: http://www1.rc.unesp.br/gpimem/downloads/teses/rosa%20m%20doutadodo.pdf. Acesso em: 16 mar. 2023.

ROSA, M.; BICUDO, M. A. V. Focando a constituição do conhecimento matemático que se dá no trabalho pedagógico que desenvolve atividades com tecnologias digitais. In: PAULO, R. M.; FIRME, I. C.; BATISTA, C. C. (Org.). Ser professor com tecnologias. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018, v. 1, p. 21-87.

ROSA, M; SACHET, B.A concepção de gênero por meio de memes em uma aula de matemática: uma análise sob as lentes da decolonialidade. RIPEM - Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Brasília, DF. Vol. 11, n.1 (2021), p. 105-124

SEIDEL, D. J.; ROSA, M. Possibilidades da percepção fenomenológica nos procedimentos investigativos da pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Educação Matemática Pesquisa (Online), v. 16, p. 407-428, 2014.

SILVA, G. Qual o significado da Sigla LGBTQIA+? Entenda o significado de cada letra e a sua importância para o movimento. Educa mais Brasil, 2020. Disponível em: < https://www.educamaisbrasil.com.br/educacao/dicas/qual-o-significado-da-sigla-lgbtqia>. Acesso em: 25 mar. de 2023.

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

LACERDA, M. C. de; ROSA, M. A Experiência Estética Questionando os Marcadores Sociais Presentes em Atividades-matemáticas de Bases Numéricas e Gêneros. Boletim GEPEM, [S. l.], n. 83, p. 306–324, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/874. Acesso em: 1 mar. 2024.