Representatividade LGBT+ em espaços de produção e divulgação (em educação) matemática

Autores

  • Agnaldo da Conceição Esquincalha
  • Hugo dos Reis Detoni
  • Luciano Araujo Lemos Junior

Resumo

O presente artigo é fruto da necessidade de questionar a respeito da presença de corpos LGBT+ na (e pela Educação) Matemática. Por meio de uma pesquisa realizada com os descritores “LGBT” e “Matemática” no Google, em diferentes idiomas, este texto tem como objetivo de visibilizar ações que reconhecem, respeitam, valorizam e fomentam a promoção de pessoas LGBT+ no campo da Matemática e das ciências ditas exatas. Encontramos organizações científicas e sociais, projetos, editais públicos para ações de extensão universitária e divulgação científica observando que, no âmbito brasileiro, as contribuições que corroboram com nosso objetivo encontram-se ainda, aparentemente, em estágio inicial, embora significativo. Nos Estados Unidos da América e na Europa – em países de língua inglesa – as ações parecem estar mais bem estruturadas no sentido da promoção de um ambiente seguro e de partilha entre profissionais LGBT+ que atuam em Matemática. Não foram identificadas ações em prol da representatividade dessas pessoas nos países de língua espanhola situados na América Latina, assim como nos países de língua inglesa, espanhola ou portuguesa em África.

Referências

BARROS, Denner Dias. Leitura e escrita de mundo com a matemática e a comunidade LGBT+: as lutas e a representatividade de um movimento social. 2021. 283f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2021.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz diferença. Estudos Feministas, v. 19, n. 2, p. 549-559, 2011.

BOUCARD, Jenny; LÉMONON, Isabelle. “Women in Mathematics: Historical and Modern Perspectives”. Quelques notes autour d’un atelier sur les femmes en mathématiques, Gazette Des Mathématiciens, v. 158, p. 57-66, 2018. . Disponível em: https://hal.science/hal-02049374/document. Acesso em 02 out. 2020.

BONATO, Anthony; BRUCE, Juliette; BUCKMIRE, Bruce. Spaces for All: The Rise of LGBTQ+ Mathematics Conferences. Notices of the American Mathematical Society, v. 68, n. 6, 2021.

BRYANT, Robert; BUCKMIRE, Ron; KHADJAVI, Lily; LIND, Douglas. The Origins of Spectra, an Organization for LGBT Mathematicians. NOTICES OF THE AMERICAN MATHEMATICAL SOCIETY, v. 66, n. 6, 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

DETONI, Hugo dos Reis, GUSE, Hygor Batista; WAISE, Tadeu Silveira. Um olhar queer para a Educação Matemática. In: ESQUINCALHA, Agnaldo da Conceição (Ed.). Estudos de Gênero e Sexualidades em Educação Matemática (p. 160-187). Brasília: SBEM Nacional, 2022. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1dOiY-dNhCCcohOPFUJY1qYGMTRpsIWWO/view?pli=1. Acesso em: 14 set. 2023.

DETONI, Hugo dos Reis; MENDES, Luísa Cardoso; ESQUINCALHA, Agnaldo da Conceição. MatematiQueer como lócus de resistência à escalada do conservadorismo e fomento à formação em gêneros, sexualidades e educação matemática. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, 2024, no prelo.

ESQUINCALHA, Agnaldo da C. (Org.). Estudos de gênero e sexualidades em Educação Matemática: tensionamentos e possibilidades. Brasília, DF: SBEM Nacional, 2022. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1dOiY-dNhCCcohOPFUJY1qYGMTRpsIWWO/view. Acesso em 15 set. 2023.

ESQUINCALHA, Agnaldo da Conceição (Org.). Estudos de Gênero: o que a Matemática tem a ver com isso? Brasília, DF: SBEM Nacional, 2024.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 10. ed., 2020.

GUSE, Hygor Batista. Pesquisas com pessoas LGBTI+ no campo da Educação Matemática: indagando processos de (cis-hetero)normatização da área. 2022. 135f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2022.

GUSE, Hygor Batista; WAISE, Tadeu Silveira; ESQUINCALHA, Agnaldo da Conceição. O que pensam licenciandos(as) em matemática sobre sua formação para lidar com a diversidade sexual e de gênero em sala de aula? Revista Baiana de Educação Matemática, v. 1, e202012, 2020. https://doi.org/10.47207/rbem.v1i.9898.

GUTIÉRREZ, Rochelle. The Sociopolitical Turn in Mathematics Education. Journal for Research in Mathematics Education, v. 44, n. 1, p. 37-68, 2013.

LAQUEUR, Thomas Walter. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LUNA, Jéssica Maria Oliveira de. Dos apagamentos históricos aos feminismos plurais: narrativas de licenciandas em matemática sobre seus percursos formativos. 2022. 175f. Tese (Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2022.

SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência?. Tradução Raul Fiker. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

UNESCO. Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). 2018. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000264691. Acesso em: 10 set. 2023.

UNESCO. Mapeamento de iniciativas de estímulo de meninas e jovens à área de STEM no Brasil. 2022. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000380903. Acesso em: 10 set. 2023.

UNESCO. Uma equação desequilibrada: aumentar a participação das mulheres na STEM na LAC. 2022. Disponível em: https://www.britishcouncil.org.br/sites/default/files/policypapers-cilac-gender-pt.pdf. Acesso em: 10 set. 2023.

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

DA CONCEIÇÃO ESQUINCALHA, A.; DOS REIS DETONI , H.; ARAUJO LEMOS JUNIOR, L. . Representatividade LGBT+ em espaços de produção e divulgação (em educação) matemática. Boletim GEPEM, [S. l.], n. 83, p. 287–305, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/858. Acesso em: 1 mar. 2024.