Caso(s) de Família: o dia em que a Análise Combinatória se descobriu Heteronormativa

Autores

Resumo

O artigo teve por objetivo analisar o conteúdo de Análise Combinatória em 10 coleções de livros didáticos, referentes às obras didáticas específicas, que foram aprovadas pelo PNLD 2021, de forma transversalizada aos Estudos de Gênero e Sexualidade. Isso aconteceu mediante uma análise discursiva de inspiração foucaultiana, em que buscou-se entender as relações de poder relacionadas à heteronormatividade que atravessam o conteúdo de Análise Combinatória. Os resultados mostraram que o referido conteúdo é constituído por enunciados, cujas regras fixam um único tipo de casal, o heterossexual, e um único tipo de família, a nuclear, formada por pai/homem, mãe/mulher e filhos. Isso significa que, ao mesmo tempo que um importante conteúdo de matemática é ensinado, também é um único modo de ser, estar e viver em sociedade, compactuando com verdades construídas e difundidas por alguns discursos, como o neopentecostal, neoliberal e o científico biológico. Por isso, a necessidade de se praticar uma pedagogia queer nos currículos de matemática, com fins de celebrar a diversidade e não a naturalização de um único estilo de sociedade.

Referências

ANDRADE, Thais Marcelle de (ed.). Matemática Interligada: estatística, análise combinatória e probabilidade. 1. ed. São Paulo: Scipione, 2020.

ASSUNÇÃO, Ricardo Gomes. Processos de Exclusão pela Matemática: enunciados de alunos e alunas do Ensino Médio Integrado e do Ensino Superior. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2022.

BONJORNO, José Roberto; JÚNIOR, José Ruy Giovanni; SOUSA, Paulo Roberto Câmara de. Prisma - Matemática: estatística, combinatória e probabilidade. 1 ed. – São Paulo: Editora FTD, 2020.

BRASIL. Ministério de Educação, Secretaria de Educação Básica. Guia Digital PNLD 2021: obras didáticas por área do conhecimento e específicas - Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2020.

CEVADA, Jefferson et al. Matemática nos dias de hoje: probabilidade e estatística. 1 ed. São Paulo: Editora SEI, 2020.

CHAVANTE, Eduardo; PRESTES, Diego. Quadrante Matemática e suas tecnologias: estatística, probabilidade e matemática financeira. 1 ed. São Paulo: Edições SM, 2020.

DANTE, Luiz Roberto; VIANA, Fernando. Matemática em Contextos: análise combinatória, probabilidade e computação. 1 ed. São Paulo: Ática, 2020.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 6. ed. Rio de Janeiro, RJ/São Paulo, SP: Paz e Terra, 2017.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Traducão: Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro, RJ: Ed. PUC/Rio, Apicuri, 2016.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: um projeto reacionário de poder. Brasília, DF: LetrasLivres, 2022.

LEONARDO, Fabio Martins de (ed.). Conexões - Matemática e suas Tecnologias: Estatística e probabilidade. 1. ed. São Paulo: Moderna, 2020.

LONGEN, Adilson, BLANCO, Rodrigo Morozetti, FREITAS, Luciana Maria Tenuta. TEIXEIRA (coord.). Interação matemática: a estatística e a resolução de problemas por meio de análise combinatória e probabilidade. 1 ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARINHO, Cristiane Maria. Processos de subjetivação, governamentalidade neoliberal e resistência: uma leitura a partir de Michel Foucault e Judith Butler. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Goiás. 2020.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Coleção Cadernos da Diversidade, 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2015.

OLIVEIRA, J. C. G. Currículos de matemática no ensino médio: significados que professores atribuem a uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem desenvolvida à luz da Educação Matemática Crítica. 2015. 214f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015.

OLIVEIRA, J. C. G. Educação Matemática Crítica direcionando currículos: constituição de sujeitos e de uma tecnologia de governo. 2020. 222f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2011.

SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. Ser protagonista matemática e suas tecnologias: estatística e probabilidade-ensino médio. 1 ed. São Paulo: Edições SM, 2020.

SOUZA, Deise Maria Xavier de Barros; SILVA, Marcio Antonio da. Heteronormatividade Demarcada por um Currículo De Matemática: uma linguagem para multiplicar sentidos. In: 7º Seminário Brasileiro / 4º Seminário Internacional de Estudos Culturais e Educação, 2017, Canoas-RS. Anais do 7º Seminário Brasileiro de Estudos Culturais em Educação e 4º Seminário Internacional de Estudos Culturais em Educação, 2017. v. único. p. 1-12.

SOUZA, Joamir. Multiversos - Matemática: estatística e probabilidade. 1 ed. – São Paulo: Editora FTD, 2020.

TEIXEIRA, Lilian Aparecida. Diálogo - Matemática e suas tecnologias: Estatística e Probabilidade. 1 ed. São Paulo: Moderna, 2020.

VEIGA-NETO, A. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

GOMES DE OLIVEIRA, J. C.; GOMES ASSUNÇÃO, R. .; RIBEIRO DE ANDRADE , A. Caso(s) de Família: o dia em que a Análise Combinatória se descobriu Heteronormativa . Boletim GEPEM, [S. l.], n. 83, p. 155–176, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/837. Acesso em: 1 mar. 2024.