Para quais corpos é permitido falar matemática?

Autores

  • Jéssica Luna SME DUQUE DE CAXIAS

Palavras-chave:

Ensino de Matemática; Corpos Políticos; Mulher Negra; Mulher Travesti; Diversidade.

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a dinâmica que determina quem possui o privilégio de discorrer sobre a matemática. Isso é realizado por meio da análise das experiências de duas jovens mulheres matriculadas em cursos de licenciatura em matemática, com a base na lente das epistemologias feministas. As protagonistas centrais deste estudo são estudantes desses cursos, que também se identificam como feministas, e cujas identidades e corpos desafiam as normas convencionais, com uma delas sendo negra e a outra sendo travesti. A abordagem do corpo é examinada sob a perspectiva das teorias de Butler e do Transfeminismo, as quais contribuem para a construção de corpos políticos. Este trabalho adota uma abordagem metodológica qualitativa feminista e utiliza entrevistas narrativas como a principal fonte de dados. A análise desses dados ressalta tanto as singularidades quanto as convergências presentes nas narrativas das entrevistadas. Os resultados evidenciam a importância da diversidade no contexto do aprendizado matemático, destacando a necessidade de incluir variadas vozes e perspectivas. Isso reforça a vitalidade da inclusão na educação matemática, permitindo que um leque amplo de visões participe.

Referências

ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na Escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. 1 ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Feminismos Plurais. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

BOUCARD, Jenny; LÉMONON, Isabelle. “ Women in Mathematics: Historical and Modern Perspectives ”: réflexions sur les femmes en mathématiques. Réflexions sur les femmes en mathématiques. 2018. Disponível em: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-02049374. Acesso em: 02 out. 2020.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 16. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

_____________. Corpos em aliança e a política de ruas: Notas para uma teoria performativa de assembléia. 1 ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2018.

_____________. Corpos que Importam: os limites discursivos do sexo... 1 ed. São Paulo: Crocodilo, 2019.

_____________. Performative Acts and Gender Constitution: an essay in phenomenology and fenlinjst theory. In: CASE, Sue-Ellen. Performing Feminisms: feminist critical theory and theatre. Baltimore And London: The Johns Hopkins University Press Baltimore And London, 1990. p. 270-282.

CAVALARI, Mariana Feiteiro. Mulheres pioneiras na Matemática no Brasil. Revista do Professor de Matemática, Rio de Janeiro, v. 30, n. 80, p. 5-9, jan. 2013.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: ula inaugural no collège de france, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GASPODINI, Isabela Barbosa; JESUS, Jaqueline Gomes de. Heterocentrismo e ciscentrismo: Crenças de superioridade sobre orientação sexual, sexo e gênero. Revista Universo Psi. Taquara, v.1, n.2, p.33-51, ago.2020.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

hooks, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Editora Elefante, Edição Kindle, 2020.

LOURO, Guacira. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento femista hoje: Perspectivas decoloniais. 3 ed. Rio de Janeiro: Bazar Tempo, 2020. p. 53-83.

LUNA, J. Dos apagamentos históricos aos feminismos plurais: Narrativas de licenciandas em matemática sobre seus percursos formativos . Orientador: Agnaldo Esquincalha. 2022. 168 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa De Pós-Graduação Em Ensino de Matemática, Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2023.

MENDICK, Heather. A beautiful myth? The gendering of being/doing ‘good at maths’. Gender And Education, [S.L.], v. 17, n. 2, p. 203-219, maio 2005. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/0954025042000301465.

MESSEDER, Suely Aldir. A pesquisadora encarnada: uma trajetória decolonial na construção do saber científico blasfêmico. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento femista hoje: Perspectivas decoloniais. 3 ed. Rio de Janeiro: Bazar Tempo, 2020. p. 155-171.

MORAES, Aza Njeri Viviane Mendes de; BRITO, Kwame Ankh Thiago Henrique Borges; COSTA, Kulwa Mene Walkiria Gabriele Elias da. Mulherismo Africana:: Proposta Enquanto Equilíbrio Vital A Comunidade Preta. Revista Ítaca, Rio de Janeiro, n. 36, ago. 2019 ISSN (1519-9002 | 1679-6799). DOI: https://doi.org/https://doi.org/10.59488/itaca.v0i36.31961.

NASCIMENTO, Letícia. Transfeminismo. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo: Jandaia, 2021.

ODARA, Thiffany. Pedagogia da Desobediência: Travestilizando a Educação. Salvador-BA: Editora Devires, 2020.

OLENSEN, Virgínia L. Os feminismos e a pesquisa qualitativa nesse novo milênio. In: DENZIN, Normam K.; LINCOLN, Yvonna S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 219-257.

PASSOS, Maria Clara Araújo dos. Pedagogia das Travestilidades. 1 ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2022.

ROSA, F. M. C. Professores de matemática e a educação inclusiva: análises de memoriais de formação. 2013. 283 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2013

SANTOS, Renata Gilaberte Campos dos. Narrativas sobre o percurso formativo de autistas licenciandos em matemática. 2021. 182 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

SOUZA, Maria Celeste R. F. de; FONSECA, Maria da Conceição F. R. Relações de Gênero, Educação Matemática e Discurso: enunciados sobre mulheres, homens e matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

TERRA, Ernani. Linguagem, Língua e Fala. 2. ed. Rio de Janeiro: Scipione, 2008.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2016. 244 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016

WALKERDINE, Valerie. Counting Girls Out. Bristol: Usa Falmer Press, Taylor & Francis Inc, 2005.

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

LUNA, J. Para quais corpos é permitido falar matemática?. Boletim GEPEM, [S. l.], n. 83, p. 05–27, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/816. Acesso em: 1 mar. 2024.