Comunicação e interação social da pessoa com Transtorno do Espectro Autista

Autores

  • Ana Cristina Soares Almendana Silveira Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Silvia Teresinha Frizzarini Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Claudete Cargnin Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Palavras-chave:

Semiótica, Desenvolvimento, TEA, Interação Multimodal, Sociointeraconismo

Resumo

Este ensaio propõe explanar as formas de comunicação de autistas, sob a luz da semiótica, tecendo o desenvolvimento da pessoa com Transtorno do Espectro Autista, numa abordagem histórico-cultural na perspectiva de Vygotsky. Para tanto, realizou-se pesquisa qualitativa, acerca da compreensão do psiquismo, da linguagem, das interações multimodal e da inclusão. Sob esta visão, concerne discutir as relações do desenvolvimento da sociabilidade que os autistas possuem, salientando a importância das interações humanas. Tais leituras instigam a dedução de que, a aceitação e o convívio com pessoas com este espectro, institui uma demanda de desafios. A proposta de incorporar o autista na sociedade demonstra a necessidade de tomada de atitudes inclusivas, que intentem a criatividade em práticas diferenciadas, por se mostrarem ligadas, diretamente, à questão do desenvolvimento social do autista. Todavia, esta temática dispõe de mais pesquisas, que evoquem a inovação, sem deixar de lado as questões humanas deste processo.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION – APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BRAGA, I. S.; ROSSI, T.M.F. Desenvolvimento da criança com o espectro de autismo na abordagem histórico-cultural de Vygotsky. 2016 Disponível em https://docplayer.com.br/17854308-Desenvolvimento-da-crianca-com-o-espectro-de-autismo-na-abordagem-historico-cultural-de-vygotsky.html. Acessado em 22 nov.2019.

BRASIL. LEI Nº 12.764, Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Poder Legislativo. Brasília, DF. 2012. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12764.htm. Acessado em 16 nov. 2019.

CARGNIN, C.; FRIZZARINI, S.T.; AGUIAR, R. Trajetória de um aluno autista no Ensino Técnico em Informática. Ensino em Re-vista, Uberlândia, v.25, n.3, pp.790-809, set/dez 2018.

CARGNIN,C.; FRIZZARINI, S.T.; FERREIRA, G.C.C. Um enfoque da educação matemática crítica para portador da Síndrome de Asperger. In: Anais do XV EPREM, Cascavel, 2017.

CASAIS CASAIS, J.A.; ARAUJO NETO, W. Contribuições da Semiótica para a Inclusão de Estudantes Autistas no Ensino de Ciências. Diversidade, Multiculturalismo e Educação em Ciências. X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC, Águas de Lindóia, SP – 24 a 27 de Novembro de 2015. Disponível em http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0443-1.PDF Acessado em 23 nov. 2019.

CRUZ, F.M. Documentação multimodal de interações com crianças com Transtorno do Espectro do Autismo: corpo, língua e mundo material. Calidoscópio, Vol. 16, n. 2, p. 179-193, mai/ago 2018 Disponível em http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/download/cld.2018.162.01/60746462 Acessado em 24 nov. 2019.

FRIZZARINI, S.T. ; CARGNIN, C.; SCHLAGENHAUFER, C. O trabalho matemático e o autismo temático institucional. Anais do XV CIAEM, Medellin, Colombia, maio, 2019.

HIGASHIDA, N. O que me faz pular. Trad. Rogério Durst. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

KANNER, L. Autistic disturbances of affective contact. In : G. Berquez. L'autisme infantile introduction à une clinique relationnelle selon Kanner. Paris: PUF, 1983. (Trabalho original publicado em 1943).

MARTINS, A.D.F.; MONTEIRO, M.I.B. Alunos autistas: análise das possibilidades de interação social no contexto pedagógico. Psicologia Escolar e Educacional, vol. 21, núm. 2, maio-agosto, 2017, pp. 215-224. Disponível em Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282352996009 Acessado em 20 nov.2019.

ORRÚ, S.E. Bases conceptuales del enfoque histórico-cultural para la comprensión del linguaje. Estudios Pedagógicos XXXVIII, Nº 2: pp.337-353, 2012 Disponível em http://mingaonline.uach.cl/pdf/estped/v38n2/art21.pdf Acessado em 25 nov. 2019.

PEIRCE, C.S. Semiótica e Filosofia. 9ª ed. São Paulo: Editora Cultrix LTDA, 1993.

SANTAELLA, L.. O que é Semiótica. Vol. 103. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

SMOLKA, A. L. Apresentação e comentários. Em L. S. Vigotski. Imaginação e criação na infância. Tradução Zoia Prestes, São Paulo: Ática, 2009.

TOSTA, C. G., Vigotski e o desenvolvimento das funções psicológicas superiores. Perspectiva em Psicologia, Volume 16, Número 1, p. 57-67, Jan/Jun 2012.

TREVIZAN, Z.; PESSOA, A.S.G. Psiquismo, linguagem e autismo: contribuições da semiótica nos contextos educativos. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 71, p. 241-258, set./out. 2018. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602018000500241 Acessado em 21 nov. 2019.

VASQUES, C. K. Transtornos Globais do Desenvolvimento e Educação: Análise da Produção Científico-Acadêmica. ANPED, GT-15: Educação Especial, Caxambu, 2008.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. Havana, Cuba: Científico-Técnica, 1987.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Downloads

Publicado

01-01-2020

Como Citar

SOARES ALMENDANA SILVEIRA, A. C. .; TERESINHA FRIZZARINI, S. .; CARGNIN, C. . Comunicação e interação social da pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Boletim GEPEM, [S. l.], n. 76, p. 79–90, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/198. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos